... na verdade, todos os poetas são assassinados pelas suas almas... as mais conflitantes, inquietantes, os obrigam a se matarem, mas as mais calmas, pacientes... os matam lentamente de solidão...

37 Comments:

  1. Sun said...
    Este comentário foi removido pelo autor.
    Sun said...
    Só mesmo um poeta pra descrever sua própria substância incorpórea..
    Ana Gotz said...
    Minha alma me sufoca a cada dia...
    Edson Marques said...
    Mas a solidão, quando assumida como solitude, é uma bênção.

    Abraços, flores, estrelas..
    helen said...
    a minha me mata de lentidão! =/
    Ká. said...
    O poeta é escravo de sua alma.
    Esta pode o matar das formas que disseste, mas até lá, há um caminho de dores e sorrisos a ser percorrido.
    angélica maria said...
    Bela reflexão.Como disse,Florbela Espanca:Ser poeta é ter fome,é ter sede de infinito(...)Abraço
    Claudia said...
    A alma de um poeta é tão vulnerável às situações diárias, uma hora podemos estar no ceú e um pouco depois mergulhar num inferno incandescente...
    Profª Cristiana Passinato said...
    Estou vivendo uma fase dessas assassina...
    :(
    Lourdes said...
    A minha me mata na lentidão, mas também concordo que até lá há um longo caminho de flores e espinhos pela frente.
    Despair Doll said...
    Realmente todos os poetas são assasinos por diversas formas..
    Gostei do Blog

    Beijos!
    Rodrigo Fabre said...
    Adorei os textos.
    Vou colocar na lista de links favoritos!
    camila_de_sa said...
    ambas sao almas solitarias.
    pois carregam dentro de si o segredo que nunca poderá ser revelado por palavras nem gestos sejam inquieta ou calmamente.
    Mai Amorim said...
    Ah, matam, e como matam...
    nate said...
    quando as próprias ilusões nos afogam pouco a pouco, ou quando elas se rompem e estilhaçam coisa maior que está cá dentro, que não se mede, nem em tempo, nem em formato.

    talvez disso eu também entenda. :o)

    gostei de ser contatada pelo blógue. grata pela leitura.
    Profª Cristiana Passinato said...
    Tõ sentindo falta das ilustrações...
    elas complementam os versos do Reticere...
    Um abraço
    said...
    A minha alma ta me matando lentamente e bem lentamente.
    Gostei do espaço.
    Um xero
    Nath said...
    E é algo contra o qual o poeta não luta, pois a alma carrega em seu sopro a imortalidade.
    O poeta apenas se habitua à idéia de que o assassino mora dentro dele.
    Anddynha said...
    Matam mesmo... mas é nessa hora que surgem os melhores versos...

    Belíssimo trabalho pessoal. Parabéns!
    ilza said...
    Demais isso, amei!Parabéns!!!!
    Lorita said...
    Poetas escrevem o que sentem, escrevemo que querem sentir ou isso tudo de uma vez só?

    Deve ser a terceira opção né? r...

    Dorei o blog.

    Bjm
    Cecilia Barroso said...
    Como a Angélica, o post me lembrou muito Florbela Espanca e o seu poema Ser Poeta!

    "Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
    Do que os homens! Morder como quem beija!
    É ser mendigo e dar como quem seja
    Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

    É ter de mil desejos o esplendor
    E não saber sequer que se deseja!
    É ter cá dentro um astro que flameja,
    É ter garras e asas de condor!

    É ter fome, é ter sede de Infinito!
    Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
    É condensar o mundo num só grito!

    E é amar-te, assim perdidamente...
    É seres alma, e sangue, e vida em mim
    E dizê-lo cantando a toda a gente!"
    Rosana said...
    Olá pessoal,

    Minha experiência com a linguagem tem aberto minha biblioteca pessoal para receber novas formas de tornar a velha palavra, tão poída , como inéditas. Acho que é isso o que vocês estão fazendo: uma releitura modernista. Parabéns.
    Poesia em HQ, alguém pensou nisso?

    abraços,

    Rosana
    S1mon3 said...
    Caramba! Profundo demais.
    Amei. em poucas linhas expldiu-se emoções
    Camila Diniz said...
    sempre passo aqui e fico admirada. estou adicionando aos links
    Francyelle Fonseca said...
    Imagino e sinto Poetas escrevendo. N�o, eles n�o se matam, nem matam suas id�ias. Sentem dor, mas por questionarem. A busca de respostas para perguntas da alma � cansativa, mas muito gratificante. Poetas "cutucam" suas feridas e n�s achamos lindo tudo que "cutuca", em grande estilo, as nossas... E de vez em quando ou�o algu�m dizer: "-Puxa, gostaria de ter escrito isso!"
    Definitivamente, Poetas fazem nascer, n�o morrer...
    Confissões de uma balzaquiana... said...
    Morte que traz vida.
    E, no conflito diário de colocar as idéias em ordem, renascemos a cada nova poesia.
    Raquel said...
    amei o blog... embora eu não seja poeta e talvez não compartilhe esses sentimentos ...
    :)
    Wander Veroni said...
    Olá equipe do Reticere!

    Li alguns poemas do blog e gostei mto do projeto de vcs, parabéns! Ser poeta é uma fermentação de idéias e de um filtro universal de sentimentos, de sensibilidade.

    Quando puderem, passem lá no meu blog, o "Café com Notícias".

    Abraço,

    =]
    ________________________________
    http://cafecomnoticias.blogspot.com
    Wander Veroni said...
    Vou recomendá-los no meu blog na lista q tenho q chama "Café na Blogsfera".

    Parabéns pela iniciativa! Me chamem para cobrir o livro qdo ele for lançado em BH.

    Abraço,

    =]
    _________________________________
    http://cafecomnoticias.blogspot.com
    Chris Rodrigues said...
    Obrigada pelo convite lá no orkut. Vim conhecer o teu espaço aqui, e sem dúvida é excelente. Vou linká-lo por lá, ok?
    Chris
    Ednamar said...
    Oiiiiiiiiiiiii
    Confesso que na primeira leitura levei o maior susto, a identificação foi imediata.
    Depois reli e reli e reli. E a sensação continuou nítida me obrigando a admitir que eu me encaixava na segunda hipótese. Uma coisa é aceitar o que é vívido na alma, e a outra, é inquietar-se com o porquê da situação. No meio de tudo estão respostas, saídas, e ñ possibilidades de questionamentos. Mas quando me volto e me olho, tenho que assumir: sou só, e lentamente a solidão mata-me. Mas não deixarei de amar a poesia.
    Parabéns! Vocês me retornaram a mim mesma, descobriram a chave da gaveta que eu havia perdido.
    Talita Camargos said...
    Superfície, calma, tranquila e por dentro vulcão.... Um espírito que já foi no fundo e quase não voltou condenado ao fim dos dias em solidão... + eu voltei, domei meus monstros, estão adormecidos e me fortaleci para quando eles acordarem insanos...

    Parabéns galera!!! lindo projeto

    Talita Camargos

    e-mail:

    talitacamargoscomunica@gmail.com
    vall duarte said...
    ...que eu morra todo dia...!
    Juber Donizete Gonçalves said...
    Equipe do Reticere,

    Parabéns pelos textos e pelo blog. Descobri pela reportagem do jornal correio e vim conhecer. A poesia é uma linda arte e tem que ser mostrada. Mais uma vez parabéns.

    Juber Donizete Gonçalves
    www.juberdonizete.blogospot.com/
    Pablo Robles said...
    A poesia pode matar de diferentes mortes os poetas, mas os versos concebidos são perdoados, salvos e eternizados.

    Abraços, Pablo Robles

    Confiram meu blog: www.gritopacifico.blogspot.com
    Prika said...
    De certo, nunca conheci nenhum poeta que fosse feliz por completo, que se sentisse realizado por ser poeta, se conheci esse não era poeta, pelo menos não por completo... Quando uma mulher está grávida é imperativo que ela tenha um filho... Assim somos nós! Estamos gravidos de poesias, e junto a elas, a morte! Seja ela fisica, ou espiritual... Mas sempre a morte... Mas de minha parte, morro aos poucos feliz por ter nascido com um dom raro de escrever com graciosidade! De escrever poesias, novos poetas! Encontrei meu lugar na internet que me parecia um tanto vazia.

    prikayakuza@hotmail.com

Post a Comment




Copyright 2007 | Projeto Reticere