Enquanto o poeta, ejaculava seu sêmen lírico
Ignorando a escuridão e a ignorância da luz
Os monges rezavam, suas verdes orações
Cercadas pela incompreensão dos vales perdidos

Os pássaros riscavam o cinza dos olhos
Sem tocar suas asas pontiagudas e afiadas
Nas pequenas pálpebras que circundam o oceano

Enquanto preparam meu célebre enterro,
As serpentes nos prometem uma vida selvagem
Divertindo às margens do riacho
Amando como as crianças
Na plena fúria do cio,
Sabendo que a vida... é promissora
Perto dos nossos próprios fantasmas.

Na lápide do poeta, havia:
Viva a vida...
Esperando o orgasmo da morte

2 Comments:

  1. Nadia said...
    Sinceramente, não gostei desse texto é um tanto quanto...infeliz
    Prika said...
    Olha, eu nem sabia que eu tinha um blog! Que legal! Honestamente eu gostei muito do texto... É a minha cara, e modestia a parte, tem que se ter uma alma de poeta, sensivel, cheia de subjetividade pra se entender muitas coias, uma delas é a vida e esse texto aí! Parabéns, o projeto é lindo!

Post a Comment




Copyright 2007 | Projeto Reticere