O branco lençol que da noite me cubro
O prato de comida que sustento na mão
A água morna que despenca do chuveiro
As pedrinhas que chuto no chão
O copo quase vazio da cerveja gelada
E as vozes distantes das pessoas ao meu lado.
Quando nos sentimos sós tudo pesa toneladas...
São rixas de risos e suspiros...
Como o ouro que deixei para trás
Como o céu cinza riscado sem paz
Mais de quinhentas mil lembranças
Dançam sob a moleira que não se fecha
Devaneios de uma mentezinha que se apoquenta.
.

19 Comments:

  1. Camilla de Godoi said...
    Belos versos,redijidos de forma de límpida e simples.

    Aqui está a que recebeu lindos versos de uma muito prezada amiga e muito obrigada pela visita ao meu simplório blog!!

    Beijão!
    Camila de Sá said...
    sensibilidade bonita
    Marina said...
    "Quando nos sentimos sós tudo pesa toneladas...
    São rixas de risos e suspiros...
    (...)
    Mais de quinhentas mil lembranças
    Dançam sob a moleira que não se fecha.."

    Maravilhoso!
    As palavras as vezes têm um efeito tão forte sobre a gente.. Incrível! Ter o poder da escrita é o suficiente para poder ser tudo.. Parabens pelo dom.
    Estou acompanhando o blog, hein ;)
    Um beijo.
    - Mariana - said...
    Este comentário foi removido pelo autor.
    - Mariana - said...
    Bendita solidão...que nos faz perceber com tanta clareza as coisas ao nosso redor, como se nada mais tivesse tanta importância.

    Obrigada pelo comentário no meu blog. ^^
    Dizer que "espero" é demais...Acho que apenas tenho "esperança"...quem sabe um dia?
    Glória said...
    Vi no blogblogs que vc favoritou um dos meus blogs e vim conhecer o seu espaço. Muito bom mesmo! Parabéns!
    Carol D'Agostini said...
    A solidão nos faz lembrar...
    Sandrinha said...
    "As vozes distantes das pessoas ao meu lado"...sei muito bem o que é isso e realmente pesam...
    bjs e até +
    Sandra Duarte
    Alessandra said...
    Simplesmente magnifico...
    Amei tudo que vi por aqui!
    Parabéns pelo trabalho de vocês!
    Beijos
    Shirlei Leandro said...
    Este comentário foi removido pelo autor.
    Violeta said...
    vezenquando solidão me faz bem...
    .
    bem lindo aqui
    .
    Sereyani said...
    Gostei... mto msm...
    Vou ler sempre...
    Quero no papel tb!
    Parabéns!
    Simone Brazil said...
    Relembrar o passado quase sempre trás solidão... Pelo menos pra mim! Um beijo, Simone Brazil.
    Nathalia Guarezi said...
    "Quando nos sentimos sós tudo pesa toneladas...
    São rixas de risos e suspiros..."

    Eu não me canso de passar aqui todos os dias para ler esse mesmo texto. Ele faz muito sentido pra mim. Parabéns pelas belas palavras!!!
    Crazy Mary said...
    Realmente, um belo texto. Me identifico muito. Parabéns!
    Esther Alcântara said...
    Parabéns pelo poema e pelo blog. É tudo muito rico em sensibilidade e qualidade.
    Aproveito para convidá-los para conhecer meu blog. Vou indicar este blog lá.
    Abs,
    Esther
    Mai Amorim said...
    limpo, simples, direto e profundo.

    adoooro *-*
    Maria da Conceição Motta Soares said...
    Prezado, sinto-me extasiada com suas poesias, esta por exemplo na minha interpretação é uma denúcia da sociedade no que tange o individualismo e o saudosismo do homem, enfim um misto de contemporâneidade confrontando a multidão e o cotidiano. Só tenho que agradecer e parabenizá-lo.


    Maria da Conceição
    Patricia said...
    oq fazer se somos um pouco sós?versos lindos !

Post a Comment




Copyright 2007 | Projeto Reticere